Publicado por: . | 28 maio, 2018

Nacionalismo & Fraternidade – Espírito Emmanuel / F.C. Xavier

“E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo,

para que onde eu estiver estejais vós também.” Jesus. (João, 14:3.)

Compreendemos que se deva amar o pedaço de terra que nos viu nascer e  compreendemos também o desejo de engrandecê-lo pelo trabalho, pela inteligência, pelo progresso, tornando-o digno da admiração dos outros. Aliás, todas as concepções do verdadeiro patriotismo se enquadram no esforço de cada indivíduo em favor da evolução geral.

Fazer, porém, a apologia desses movimentos nacionalistas que, a pretexto de unificação e energia administrativa, operam a revivescência das autocracias de outrora, incentivando as guerras, provocando revoltas, coibindo o pensamento, é desconhecer as leis da solidariedade humana.

Aplaudir essas iniciativas que consideramos como atentatórias à lei fraterna que rege os mundos e as almas, seria cooperar para o desvirtuamento de todos os princípios da justiça e da ordem.

Ninguém pode prever as conseqüências dessa mística nacionalista que, na atualidade, percorre o mundo de bandeirolas ao vento. Em todas as organizações políticas encontram-se concepções elevadas que interessam, de perto, a vida do Estado; mas todo e qualquer extremismo, dentro delas, é prejudicial ao bem coletivo.

Cria-se a política dos governos fortes a fi m de se incentivar as energias nacionais. Isola-se o Estado e, nesse isolamento, os grandes erros começam porquanto os desequilíbrios econômicos são inevitáveis.

Os homens não podem fugir aos dispositivos do código da fraternidade universal. Cada individualidade dá o que possui no problema das possibilidades e das vocações, no edifício do progresso coletivo.

Uma traz a ciência, outra a arte, outra uma nova modalidade evolutiva.

Dentro do mundo, são assim as nacionalidades, no tocante à produção.

O que se faz necessário é regulamentar-se a troca dos pro dutos de cada uma. Ainda aí encontramos as lições de fraternidade da natureza.

Um país, pretendendo isolar-se no mundo, lavra a sua própria conde nação.

Não vemos, portanto, nenhuma legitimidade nesse exclusivismo antifraterno. Fisicamente, as nações representam somente o patrimônio da Humanidade. O Universo é o Pensamento Divino em sua expressão objetiva. O plano de perfeição uma absorve todas as coisas, impondo a lei de Fraternidade a todas as criaturas.

O amor de Deus envolve a criação infinita. Para a sua misericórdia, portanto, um país não vale mais do que outro; e os homens, sejam europeus, africanos, hotentotes, todos sãos irmãos.

As rajadas de guerras, de nacionalismos incompreensíveis, são obras humanas, envolvendo grandes e temíveis responsabilidades individuais e coletivas. Todavia, todos os feitos do homem na esfera da existência transitória são assinalados pelo seu caráter temporal. O que existe é a lei divina, é a alma imortal.

A evolução pode ser lenta, mas é segura; pode ser combatida, mas será aceita em tempo oportuno.

A História é o vosso roteiro. Onde se encontram a Esparta e a Atenas de outrora? Que sopro destruidor pulverizou as esplendorosas civilizações que floresceram junto do Ganges, do Nilo, do Tigre, enchendo de vida as suas margens? Que força extra-humana soterrou a Roma poderosa da Antiguidade, num aluvião de cinzas?… Onde se acham as

suas galeras soberbas cheias de patrícios e de escravos, as suas conquistas, os seus impérios faiscantes?…

A mão do processo evolutivo, invisível e misteriosa, que estancou as lágrimas da plebe sofredora, subjugou os tiranos, assinalando as suas frontes com o estigma da maldição dos séculos.

O progresso vem trabalhando com sacrifícios e, sobre as ruínas do Coliseu e de Spalato choram, amargamente, os ventos da noite.

O poder de homens e de nações passa como a sua própria ação. Daí a necessidade da difusão do conceito imortalista da vida, para que a humanidade concentre as suas possibilidades na aquisição dos tesouros espirituais, os únicos que se não dissipam no vórtice das mutações da matéria.

O moderno espiritualismo, explicando aos homens, em espírito e verdade, as lições trazidas ao mundo por Jesus, há de reparar os excessos do nacionalismo, integrando as criaturas no conhecimento das verdadeiras leis fraternas e extinguindo os ódios raciais que infelicitam a humanidade.

 

Emmanuel

Pedro Leopoldo 1935

Livro: Notáveis Reportagens com Chico Xavier – IDE

Texto compartilhado no livro Prefácios de Emmanue. Carlos Alberto Braga Costa (Org.)

 


Responses

  1. […] respeito do cenário da política nacionalista dos idos de 1935, conforme pode ser acessado no link https://chico-xavier.com/2018/05/28/nacionalismo-fraternidade-espirito-emmanuel-f-c-xavier/,   cremos que as ponderações do aludido texto poderia contribuir com a análise do cenário […]


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Categorias