Publicado por: . | 11 janeiro, 2019

GUERRA VIVA

Guerra Vivacoração partido

 

 

Emmanuel

 

 

Em verdade, a civilização do Ocidente já conseguiu abolir, no campo de seus hábitos mais arraigados, a praga social do duelo, através da qual homens válidos se atiravam inutilmente à morte…

 

Espadas e armas de fogo de velhos salões aristocráticos jazem relegadas ao abandono e ao silêncio dos museus, mas o homem que rixava com o próximo, no pretérito distante, buscando pretextos para aniquilar-lhe a vida, prossegue alimentando em si mesmo a cultura de projeteis mentais, vivos e mortíferos, com que interfere no programa santificante do Cristo, perturbando o caminho dos semelhantes ou exterminando a si mesmo.

 

Não mais a contenda ostensiva na praça pública, mas a desarmonia destruidora no coração.

 

Cada inteligência é um fulcro da vida, arrojando de si mesma forças intangíveis que geram todos os processos de assimilação e desassimilação, em nossa estrada comum.

 

E em todos os setores, vemos o companheiro terrestre despendendo energias que lhe guerreiam a própria existência e lhe consomem a própria felicidade.

 

Elevada percentagem das moléstias indefiníveis nasce do desequilíbrio espiritual a que se rendem as criaturas.

Os sanatórios e as estações de repouso assemelham-se a praias de socorro, onde aportam inevitavelmente os milhares de náufragos do mundo social sem o Cristo em que o homem se perde à maneira de viajor sem direção.

 

Em quase todas as instituições e em quase todos os lares, vemos a atividade ruinosa dos projeteis do pensamento desvairado.

 

Raios de orgulho e vaidade, criando complexos de culpa.

 

Raios de ódio, estabelecendo perturbações de conseqüências imprevisíveis.

 

Raios de inconformação, consolidando processos de angústia.

 

Raios de tristeza estéril, estabelecendo enfermidades obscuras.

 

Raios de cólera, induzindo à delinquência.

 

Raios de egoísmo, formando trincheiras de separatividade e sofrimento.

 

Raios de preguiça, coagulando as melhores oportunidades de trabalho e abrindo o caos, à frente das promessas e dos votos brilhantes.

 

Raios de crueldade, congelando a ignorância e a penúria, em desfavor da Humanidade, a quem devemos o nosso preito incessante de serviço e de amor.

 

Busquemos Jesus, cuja supervisão divina pode realmente consagrar dentro de nós o governo sadio do equilíbrio e da sublimação.

 

Sem o Mestre da Cruz não aprenderemos o caminho que nos cabe trilhar, e sem a Cruz do Mestre será de todo impraticável a nossa verdadeira ressurreição.

 

Do livro “Instrumentos do Tempo”- Psicografia de Francisco Cândido Xavier –  Pelo Espírito Emmanuel – Capítulo XXXI

“O que sentes revela o rumo para onde te diriges.

O que pensas te aponta o lugar em que te encontras.

O que falas indica o que sabes.

O que fazes mostra quem és”.

Emmanuel


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Categorias