Publicado por: . | 7 março, 2021

O PERDÃO E A TOLERÂNCIA

15 de setembro de 1984

A reunião do dia 15.09.84. como sempre, foi uma festa para os nossos

corações. A alegria estava em todos os semblantes. A criançada arrulhava

como um bando de aves, falando de renovação e esperança.

Quando o Chico chegou, um coral constituído por muitos caravaneiros

improvisou inesquecível canção, que fez vibrar as cordas do sentimento

de todos os presentes.

Emocionado, o Chico agradeceu.

Meu Deus, quando será que teremos no mundo mais reuniões como

esta, de fraternidade pura… — pensávamos em silêncio.

Logo após a prece inicial, o Chico leu a lição de “O Evangelho

Segundo o Espiritismo” para a tarde, que nos ofertou um trecho do Cap.

X — “Bem-aventurados os misericordiosos”, no item 15.

Todos colaboraram nos comentários com muita inspiração. Na palavra

de todos o perdão foi ressaltado por imperativo da paz que tanto

anelamos no mundo em que vivemos.

Uma de nossas companheiras, porém, destacou a seguinte frase:

“Perdoar aos inimigos, é pedir perdão para si mesmo: perdoar aos

amigos, é dar-lhes uma prova de amizade; perdoar as ofensas é mostrar

que se tornou melhor.”

Baseando-se na referida colocação evangélica, na palavra lúcida de

nossa confreira, o Chico solicitou ao Sr. Weaker permissão para também dizer alguma coisa. E, de forma inspirada, proferiu uma leal e fraterna

advertência aos que ali estávamos, como também, segundo

depreendemos, a todos os irmãos que militam no movimento espírita do

Brasil.

Sem maiores delongas, deixando que cada qual retire suas próprias

conclusões, passemos à palavra do querido Chico, breve, mas de

profunda significação para os que têm “ouvidos de ouvir e olhos de ver”

“Apenas pedimos permissão para reafirmar as definições de nossa irmã,

quando ela se deteve na expressão: Perdoar aos inimigos, é pedir perdão

para si mesmo: perdoar aos amigos, é dar-lhes uma prova de amizade;

perdoar as ofensas é mostrar que se tornou melhor”.

“Nós conhecemos, na Doutrina Espírita, uma característica muito

interessante — a livre expressão: Alguns possuem um Guia determinado, outros possuem outros Amigos Espirituais. E isso causa muita discussão na Doutrina. Da legião dos cristãos nós somos talvez mais discutidores, no campo doutrinário do Evangelho. Outros irmãos não param o

pensamento para analisar, mas a comunidade espírita lê bastante e

interpreta muito. E nesse interpretar encontramos o antagonismo de uma pessoa para com a outra…

As pessoas passam a não ser tolerantes. Dizem: “Gosto muito de

fulano, mas não gosto do trabalho que executa.”

“Nós sabemos que a nossa meta é Jesus Cristo, a mesma meta de todos

os cristãos. Nós que temos essa faculdade, por enquanto — por enquanto,

porque a qualquer hora poderemos ter isso cassado — da livre discussão e da livre opinião, deveríamos anotar este lema:

“Desculpar os amigos, de qualquer maneira, de qualquer falta…”

“Os inimigos estão fora dessa observação, aqueles que se nos fazem

adversários estão mais ou menos longe, não dão trabalho à nossa cabeça.

Entre nós outros, os amigos entre si, para conduzirmos nossa bandeira

para a frente, precisamos ser mais amigos uns dos outros; á hora requer que sejamos mais amigos… Se somos considerados minoria, por que nos vamos hostilizar? Ante os muitos milhões, somos poucos… Pelo fato de sermos minoria, deveríamos amar ainda mais os nossos amigos; sabendo que o trabalho deles se altera de dia para dia, como julgar o amigo por

atitudes de um dia só?

(…) “Então, essa tolerância seria para nós uma espécie de cimento de

união para sermos de fato companheiros uns dos outros, amigos uns dos outros, irmãos uns dos outros… Nós não temos usado com bastante sensatez essa liberdade de opinião irrestrita… E um ponto de vista que emitimos pensando na necessidade de tolerância em nossos grupos.

“Não é que devemos esquecer os inimigos, não. Também são filhos de

Deus. Se estão se aproximando de nós, é nosso dever dialogar com eles.

Mas, sobretudo, entre nós outros, os amigos, devemos ter mais união. E

uma verdade que gostaríamos que fosse contestável, mas não é… A nossa Imprensa, a nossa vida nas Instituições nos mostra diferente… Às vezes estamos tão separados, a ponto de uma outra autoridade religiosa, de um outro culto dizer: “Os espíritas do Brasil conseguiram um prodígio:

conseguiram ser inimigos íntimos…”

“Precisamos respeitar todos os trabalhos e todos os companheiros.

Enquanto Eurípedes encerrava o culto com uma prece, ficávamos

meditar no quanto seria interessante se estas palavras do nosso Chico

fossem ouvidas pelos companheiros espíritas de todo o Brasil…

Todos os irmãos da “Mata do Carrinho” têm o nosso Chico a conta de

um verdadeiro pai.

A sombra do abacateiro 15/09/84

INSCREVA-SE no Gênese Canal Youtube

Dê um like no vídeo

e ajude a COMPARTILHAR

https://www.youtube.com/c/Gênesewebcanalespírita


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Categorias

%d blogueiros gostam disto: